PI 303 - CAMARA - MS WEB RADIO

Em Dourados, ministro do Turismo declara "fim do agronegócio" se marco temporal for derrubado

Julgamento do marco temporal no STF foi adiado após pedido de vista

Por Daniel Amaral em 17/09/2021 às 06:49:29
Ministro afirmou que Governo deve enviar R$ 30,5 milhões para infraestrutura turística em MS. - Foto: Marcos Morandi | Midiamax.

Ministro afirmou que Governo deve enviar R$ 30,5 milhões para infraestrutura turística em MS. - Foto: Marcos Morandi | Midiamax.

Nesta quinta-feira (16), o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, visitou Dourados. No município a 229 km de Campo Grande, o ministro declarou que o Brasil deve viver o "fim do agronegócio" se o marco temporal não for aprovado no STF (Supremo Tribunal Federal).

"Se não for aprovado o marco temporal, se isso acontecer, vai decretar praticamente o fim do agronegócio no Brasil", disse. Conforme o ministro, que também tem agenda em Bonito nesta sexta-feira (17), a queda do marco temporal "vai gerar um período de muitas inseguranças alimentares no mundo todo, porque o Brasil é um celeiro do agro".

Presente na agenda, o secretário especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia, disse que a manutenção do marco temporal é a posição do Governo Federal. "O fim do marco temporal será o caos estabelecido não só em Mato Grosso do Sul, mas também em todo o país", defendeu.

Ainda em Dourados, o ministro aproveitou para anunciar um projeto de investimento na infraestrutura turística de Dourados com valor de R$ 30,5 milhões. Gilson não deu detalhes sobre os planos. Estiveram presentes também os deputados estaduais Marçal Filho (PSDB) e Coronel Davi (sem partido).

Impactos do marco temporal em MS

O "marco temporal" é uma tese, considerada inconstitucional por frentes indígenas, que garante a demarcação de terras em que indígenas estivessem em 5 de outubro de 1988 — data em que foi promulgada a Constituição.

Conforme dados da Funai (Fundação Nacional do Índio), Mato Grosso do Sul possui 29 terras indígenas em processo de demarcação, sendo que 15 ainda estão em fase de estudo, 4 já foram delimitadas e outras 10 foram declaradas (veja a relação completa abaixo). Todas podem sofrer interferência com a decisão do Supremo sobre o "marco temporal".

O advogado indígena de MS e coordenador jurídico da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), Luiz Eloy, representou os povos indígenas no julgamento. Sobre o "marco temporal", ele questionou o local em que os indígenas estavam durante a data citada, considerando que muitos foram expulsos das terras tradicionais durante o período.

"Basta lembrar que estávamos saindo do período de ditadura, muitas comunidades foram despejadas de suas terras, ora com apoio, ora com aval do próprio estado e seus agentes", apontou. Portanto, Eloy pontuou que "adotar o marco temporal é ignorar todas as violações que os povos indígenas foram e são submetidos".

Conforme o doutor em Direito Socioambiental pela PUCPR Tiago Botelho a AGU (Advocacia-Geral da União) haverá dizimação em massa dos povos históricos no Brasil se o marco temporal for aprovado. "No Mato Grosso do Sul, em sendo aprovado o marco temporal, veremos a morte de várias culturas indígenas", aponta.

O doutor afirma que inúmeros povos indígenas de MS irão perder os territórios demarcados. Assim, serão impedidos de materializar os próprios modos de ser, fazer e viver na terra e com a terra.

Apesar de normalmente demorados os processos jurídicos brasileiros, se aprovado, o recurso extraordinário pode mudar do dia para a noite as demarcações indígenas. "Se o STF afirmar que o marco temporal é válido, no outro dia de sua decisão, o Estado brasileiro só será responsável em demarcar as terras dos povos indígenas que consigam comprovar que, em 5 de outubro de 1988, data de promulgação da Constituição Federal, estavam naquele território", reforçou.

Imediatamente, "inúmeros povos indígenas em Mato Grosso do Sul perderão o direito de ter suas terras demarcadas". Nem mesmo as áreas já demarcadas estão à salvo com a aprovação do marco temporal.

No STF o ministro relator do processo, Edson Fachin, votou contra o marco temporal e reafirmou os direitos dos povos originários. Votando logo em seguida, o ministro Nunes Marques argumentou e se posicionou a favor da manutenção do marco. Porém o julgamento foi suspenso, pois Alexandre de Moraes pediu vista do processo.

Fonte: Midiamax

Comunicar erro
UNIGRAN

Comentários

ABEVE