PI 1848 - GOVERNO - MS WEB RADIO

Simone Tebet entrega ao presidente Lula relatório com cinco rotas de integração

Subcomitê de Integração e Desenvolvimento Sul-Americano identificou 100 projetos do Novo PAC com potencial de desenvolvimento regional

Por Antonio Neres em 07/11/2023 às 18:36:33

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, entregou ao presidente Luiz InĂĄcio Lula da Silva, nesta segunda-feira (6), relatório do SubcomitĂȘ de Integração e Desenvolvimento Sul-Americano, após o Consenso de Brasília, encontro que reuniu, em maio, na capital do país, líderes de 12 países América do Sul. Na ocasião, presidentes e chanceleres da região reafirmaram o compromisso com a integração e o desenvolvimento regional.

Desde junho, o subcomitĂȘ fez 22 reuniões com diferentes órgãos do governo federal e com os 11 Estados que fazem fronteira com países da região. Junto com essa escuta e esse diĂĄlogo, o subcomitĂȘ mapeou 9 mil obras do Novo PAC e identificou 100 projetos com potencial de integração e desenvolvimento regional.

Além de mapear os projetos, o relatório também estudou a produção e o comércio exterior (exportações e importações) dos 11 Estados brasileiros que possuem regiões de fronteira para identificar desafios e potencialidades para as referidas rotas. Juntos, esses Estados possuem exportações de US$ 122 bilhões, representando respectivamente 36% das exportações brasileiras. Os países Sul-Americanos, por sua vez, absorvem menos de 20% das vendas externas do país.

A integração regional, contudo, mesmo capaz de criar oportunidades novas e robustas de negócios entre os Estados fronteiriços e seus vizinhos, também é fundamental para abrir novas rotas e reduzir custos de logística, aumentando a competividade de todos os produtos brasileiros.

Fronteiras e rotas

Arte: MPO

Rotas

Rota 4 é a "Rota de Capricórnio" que corta o Mato Grosso do Sul

"O Brasil conta com 16,9 mil quilômetros de fronteiras com outras dez nações. Essa faixa contempla 588 municípios brasileiros, dos quais 33 são cidades gĂȘmeas e quatro são tríplices fronteiras, além de dezenas de pontos de contato com os países vizinhos, em territórios nos quais as culturas e as relações sociais fluem para além dos limites formais dos postos aduaneiros. Ao mesmo tempo, dos quase 17 mil quilômetros, cerca de 9 mil são demarcados por rios, lagoas e canais", aponta o relatório para ilustrar as dificuldades de avançar na agenda da integração física da região.

A proposta apresentada pelo subcomitĂȘ é que se constitua uma rede de Rotas de Integração e Desenvolvimento Sul-Americano, "formando uma vasta teia de conexões que irrigue e potencialize as relações da economia brasileira com a dos países vizinhos e, inclusive, com os mercados emergentes da Ásia Pacífico".

Dessas cinco rotas, o Mato Grosso do Sul estĂĄ inserido na chamada "Rota de Capricórnio", incluindo também ParanĂĄ e Santa Catarina, ligada, por múltiplas vias, a Paraguai, Argentina e Chile.

O comércio mudou, as rotas não

O relatório aponta que, enquanto o comércio do Brasil com o mundo cresceu muito nos últimos 20 anos, com mudança tanto dos bens comercializados como dos sócios, "as vias utilizadas para escoar a produção seguiram concentradas, em termos logísticos, nos portos atlânticos das regiões Sul e Sudeste." O comércio intrarregional, indica o documento, "representa pouco menos de 20% das relações comerciais do Brasil com o mundo", mas "a América do Sul se consolidou como um mercado fundamental para os produtos brasileiros com maior valor agregado. Os vizinhos sul-americanos representam menos de 2% do total das importações mundiais, mas compram mais de 35% de todos os produtos com alta e média-alta intensidade tecnológica exportados pela economia brasileira."

O relatório destaca a mudança na composição dos Estados exportadores do país, apontando o peso crescente dos chamados "estados articuladores", constituídos pelo conjunto de unidades da federação não-atlânticas, "que formam a faixa fronteiriça entre o Brasil e seus vizinhos sul-americanos": Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre e Roraima. A soma das exportações desses cinco estados passou de US$ 2,3 bilhões (2,5% do total) das exportações brasileiras para US$ 43,4 bilhões em 2022 (13% do total).

Fonte: Redação MS WEB RADIO e MĂ­dia MS Digital/Capital News

Comunicar erro
MODELO
UCP TOPO
UNIGRAN
MASTERS
SICOOB
Garotas que fazem programa