Homem encontrado morto foi quem atirou em principal alvo de chacina

Corpo foi encontrado

Foto: Última hora

Foto: Última hora

Acusada pelo prefeito José Carlos Acevedo de encobrir os verdadeiros autores da chacina de quatro pessoas no dia 9 deste mês na fronteira, a polícia paraguaia já admite outra versão para o crime ocorrido em Pedro Juan Caballero, cidade vizinha de Ponta Porã a cerca de 130 Km de Dourados.

Nesta segunda-feira (18), o comissário Hugo Díaz, chefe da Polícia Nacional em Amambay, disse que Derlis David Sanchez Ayala, 23, encontrado morto a tiros na noite de sábado na zona rural de Pedro Juan Caballero, foi um dos três pistoleiros que praticaram a chacina.

Ele seria o bandido que aparece em imagens de câmeras atirando em Osmar Vicente Álvarez Grance, 29, o "Bebeto", o verdadeiro alvo do ataque, que ainda fez como vítimas as estudantes de medicina Haylee Carolina Acevedo Yunis, 21, (filha do governador de Amambay Ronald Acevedo), a mato-grossense Rhamye Jamilly Borges de Oliveira, 18, e a douradense Kaline Reinoso de Oliveira, 22.

Derlis foi executado com tiros de pistola 9 milímetros na cabeça e ao lado do corpo, foi deixado bilhete com a frase "Matei 3 meninas inocentes, fique de exemplo".

O reconhecimento de Derlis Sanchez como um dos três pistoleiros que mataram Bebeto e as três mulheres indica mudança no rumo das investigações e inocenta os seis brasileiros presos na semana passada.

Apesar da Polícia Nacional ainda não admitir, fontes ouvidas pela reportagem revelam que o grupo, supostamente ligado ao PCC (Primeiro Comando da Capital), não tem ligação com as mortes. Os seis devem ser expulsos do Paraguai e entregues à polícia brasileira.

O comissário Hugo Díaz informou hoje, que a polícia já tinha pedido a prisão de Derlis Sanchez, mas não houve tempo. Ele foi sequestrado e executado, possivelmente, pelo mesmo grupo que ordenou a morte de Bebeto.

As mesmas fontes revelam que os outros dois atiradores devem ter o mesmo fim nos próximos dias, pois cometeram o erro de matar as mulheres, entre elas, a filha de político influente na fronteira.

Derlis Sanchez seria um dos matadores a serviço de Marcio Sánchez Giménez, o "Aguacate" (abacate, em castelhano). Marcio era segurança do chefe do narcotráfico Jorge Rafaat Toumani, executado em Pedro Juan Caballero em 15 de junho de 2016. Após a morte de Rafaat, passou a trabalhar por conta própria.

Texto: Helio Freitas do Campo Grande News