UNIGRAN

Polícia Civil prende ex-assessor parlamentar e pré-candidato a vereador por violência doméstica

O ex-assessor parlamentar, no entanto, negou as acusações

Por Redação em 14/05/2024 às 10:34:48

No Ășltimo domingo (12), a PolĂ­cia Civil, por intermédio da delegacia de Sidrolândia, prendeu em flagrante, um ex-servidor da Câmara Municipal de Sidrolândia, anteriormente no cargo de assessor parlamentar, sob acusação de violĂȘncia doméstica contra sua namorada. O indivĂ­duo, de 27 anos, enfrenta uma acusação de lesão corporal, enquadrada na Lei Maria da Penha.

A ação policial foi desencadeada após a vĂ­tima publicar um vĂ­deo em sua rede social, registrando uma discussão com seu parceiro. O vĂ­deo rapidamente se disseminou na cidade, sendo compartilhado em grupos de WhatsApp.

A delegada responsĂĄvel pela Delegacia da Mulher, ao ter acesso ao vĂ­deo, solicitou apoio à PolĂ­cia Militar para garantir a segurança da vĂ­tima e prender o agressor. Apesar dos esforços da polĂ­cia em localizar o suspeito, a vĂ­tima recusou-se a comparecer à delegacia e não forneceu o endereço do agressor, conforme registrado em Boletim de OcorrĂȘncia pelos policiais militares.

Posteriormente, a autoridade policial determinou a continuação das buscas pelo agressor, que foi localizado em sua residĂȘncia no inĂ­cio da tarde. Na delegacia, a vĂ­tima inicialmente tentou alterar sua versão dos eventos, mas, ao conversar com a delegada, confirmou a agressão, embora tenha afirmado que ocorreu durante uma discussão provocada por ela mesma.

Ela não conseguiu precisar se a agressão foi acidental ou intencional, relatando que o agressor, alegadamente sob efeito de ĂĄlcool, a agrediu nas pernas com um aparelho celular, resultando em escoriações no joelho esquerdo. A vĂ­tima expressou a crença de que o comportamento agressivo do namorado foi influenciado pelo consumo de bebidas alcoólicas, ressaltando que ele é geralmente uma pessoa pacĂ­fica.

Ela justificou sua tentativa de mudar a versão dos fatos pelo fato de o agressor ser uma figura conhecida na cidade e pré-candidato a vereador, manifestando medo de prejudicĂĄ-lo. O ex-assessor parlamentar, no entanto, negou as acusações, admitindo apenas ter consumido ĂĄlcool e discutido acaloradamente com a vĂ­tima.

Ele pagou fiança no valor de R$ 2.000,00 e enfrentarĂĄ acusações por lesão corporal no âmbito da violĂȘncia doméstica. O inquérito policial serĂĄ encaminhado ao Ministério PĂșblico para as devidas providĂȘncias legais.

Fonte: Assessoria

Comunicar erro
MODELO
UCP TOPO
MASTERS
SICOOB